sexta-feira, 20 de novembro de 2015

A tragédia de Mariana e a privatização da Vale

Em 26 de abril de 1986, em Chernobyl, na Ucrânia, ocorreu o que é considerado o pior desastre nuclear da história. Um dos reatores da usina nuclear instalada no local explodiu enviando enormes quantidades de radiação para atmosfera, se espalhando por toda Rússia e parte da Europa.
   Por Laercio Melo Duarte
   A destruição do meio ambiente não decorre do fato de uma sociedade ser capitalista ou socialista. Tampouco a miséria. O pensamento esquerdista de que os meios de produção, em mãos capitalistas, serão sempre exploradores dos demais fatores como trabalho e natureza, vem das teses marxistas de que o capital é sempre acumulativo e concentrador de renda, assim como o futuro do capitalismo será necessariamente imperialista. Essas "verdades" poderiam ser válidas para os tempos de Marx ou da Revolução Russa, mas, foram modificadas nos últimos cem anos. Primeiro pela própria geo política do século XX, que resultou na guerra fria competitiva por hegemonia política, entre Socialistas e Capitalistas.
   Os dois blocos se desenvolveram de formas diferentes entre si, com os socialistas se fechando em espaços politicamente opressores, os países sendo governados por supostas vanguardas que deveriam conduzir ao Comunismo, mas, que de fato resultaram em ditaduras ferozes. Os resultados foram atraso tecnológico e organizacional, empresas estatais ineficientes, com a consequente perda de competitividade das economias nacionais. Ao final, o chamado socialismo real faliu como proposta inovadora, particularmente na última década no século XX.
   Por seu lado, os países do capitalismo concentrador precisou abrir mão de parte dos lucros, afim de atender às demandas de suas populações. Não apenas organizadas através da luta de classes, mas também como decorrência dos processos educacionais e de inovação, necessários à alma do capitalismo, que é a concorrência. Por este caminho, a tese do imperialismo inevitável revelou-se falsa. Várias nações do front capitalista foram fortemente influenciadas pela vertente social-democrata, revertendo em mais benefícios e liberdades para as suas populações. É o caso típico dos países europeus, Canadá, Austrália, Coréia do Sul, Japão, etc, onde se desenvolveu um interessante sistema de "bem estar social" (welfare state), com a renda nacional sendo melhor distribuída entre as várias camadas da população, na forma de assistência médica, educação,  segurança, meio ambiente e lazer, etc.
   Mesmo no país onde as contradições do capitalismo são mais evidentes, nos Estados Unidos as liberdades democráticas e a ascensão social inter classes é considerada um atributo do sistema de gestão pública, baseado no liberalismo. As tão polemizadas quotas raciais, foram introduzidas no país e são em parte responsáveis pelos 40 milhões de cidadãos negros em condição análoga a de classe média, com alto poder de consumo.
   No meu modo de ver, a preservação ambiental é uma conquista da sociedade democrática. Boas leis, um eficiente sistema de fiscalização, responsabilização de culpados por danos e co-participação das partes interessadas, tampouco estão diretamente vinculados ao estatuto social das empresas, se Estatais ou Privadas. É uma condição da capacidade do Estado em prover boa gestão de seus recursos, naturais, econômicos, sociais e éticos.






2 comentários:

Anônimo disse...

Só no Brasil é que a condição ambiental é relegada às picas...

Veja nossas praias e o lançamento de esgoto in natura...

Afora, outras coisas a mais...

Att, Mr. Ever Green

Anônimo disse...

Infelizmente não é somente o Brasil. Essa guerra a humanidade está perdendo para ela mesma. Paulão